Things I Hate About The Beauty Industry

A beleza possui um lado menos bonito, pouco falado, até camuflado e é sobre alguns pontos que não gosto de todo, que sinto necessidade de falar.
Então, se concorda que existe algo na indústria da beleza de que não gosta e talvez até possamos concordar em alguns pontos, continue a ler.

Adoro falar de beleza e em como os cosméticos podem mudar em nós aquilo que menos gostamos. Adoro usar um creme e ele tirar-me a mancha do rosto. Adoro usar um corretor de olheiras e ele esconder o meu ar cansado. Adoro muitas coisas neste mundo fantástico da cosmética, capaz de mudar a nossa auto-estima num estalar de dedos ou quem sabe, com uma camada de batom vermelho nos lábios, para ser mais exata.
Mas, há muitas coisas que infelizmente não consigo ficar indiferente, e que as marcas "nos obrigam" a engolir guela à baixo, só porque são os fabricantes e nós os consumidores. E é como consumidora  que falo daquilo que as marcas fazem e eu detesto.

Será que você se identifica com isso também?



Modelos que não Representam o Produto - Das coisas que sempre vi desde a infância nas revistas, são os anúncios de cosméticos para pessoas entre os 30/40 anos ( produto anti-envelhecimento - na foto) cujas modelos andam na casa dos 20. Como se os cosméticos fizessem milagres e a pessoa ficasse 10 anos mais nova do que realmente é. Detesto este tipo de publicidade. Era tão mais bonito ir buscar a Cindy Crawford com os seus 50 e poucos anos agora, para publicitar algo atual, pois sabemos que ela se cuida e que é capaz de vender uns milhões com aquela cara linda. Mas, não!



Produtos que prometem 1001 coisas - Sinto que depois dos BBcreams isso tudo virou um boomm das 1001 utilidades, e olhe que gosto de utilizar os produtos para mais do que uma finalidade. Mas, sinto que isso tem que partir de mim e não da marca. Faz sentido?
Chateia-me profundamente quando uma marca reclama para si efeitos diversos para um produto, quando não consegue cumprir sequer um em condições. Outro exemplo, são as publicidades das máscaras de pestanas, quando conseguimos perceber que a modelo está a usar pestanas falsas. É ridículo!



Produtos que contém Óleo Mineral - Falando não como alguém que possui pele oleosa, mas que cuida da pele. Sinto que este fator é o mesmo que defraudar a credibilidade que depositamos nas marcas que gostamos. Se estivermos a falar de produtos baratos de marcas baratas, até compreendo que eles coloquem este tipo de ingrediente nos seus produtos, ou porque não possuem um laboratório especializado ou querem economizar na produção. Mas, quando falamos de marcas caras, é simplesmente inadmissível, pagarmos acima de 40 euros por algo e este produto só vale realmente 10 euros. É o tipo de situação cujo produto e marca fujo à léguas, pois aborrece-me profundamente ver a marca a aumentar os seus lucros descaradamente em detrimento do prejuízo da minha pele.



Cópias de marcas - Adoro dupes!! Não me entenda mal! Não gosto de ver novas marcas a "criar" produtos praticamente iguais àqueles que vendem muito, mudando só o nome. É quase uma réplica do famoso produto. Vê-se o mesmo layout, cor, embalagem, tipo de letra e etc, com um produto da Xaxa.
Outro exemplo é algo barato a querer parecer caro, quando nós sabemos que não é. Isso não quer dizer que não seja bom, mas detesto pagar mais só porque "parece bom" quando a fórmula e os ingredientes são os mesmos.



A cor de base Beige que nem cor de pele é - As marcas esquecem que as suas consumidoras compram também em supermercados, farmácias e stands/lojas de maquiagem espalhados pelo mundo, porém todas as cores que vemos nas tonalidades de cada lançamento são: classic beige, ivory beige, sand beige, warm beige, beige doré, tan beige e etc. Que eu saiba beige nem cor de pele é, talvez warm, olive e honey possam ser, mas beige nunca foi e nem nunca ouvi alguém dizer que é beige.
Isso é uma nomenclatura antiga usada por pessoas que no passado usavam maquiagem e que adoram e usam este tipo de cor, mas, atualmente não faz mais sentido este tipo de nomenclatura, a meu ver. E confesso que fico realmente muito frustrada quando vejo que todas as marcas seguem o mesmo padrão e não saem da bolha, depois não pensam as suas novidades para um público maior variando do tom de pele claro para o mais escuro, normalmente fica-se pelos beiges e as peles negras ficam excluídas. É mesmo uma lástima!



Parabenos - Falei um pouco sobre a forma como escolho os produtos que compro AQUI e citei o parabeno como algo que repudio na hora de comprar. Os parabenos são conservantes usados em comidas e cosméticos para evitar a proliferação de bactérias. É um produto utilizado na indústria desde 1950s e acho que há muito deveria ter sido abolido do mercado, pois é algo que é comumente  encontrado nos exames de pessoas com câncer de mama e acho que não é preciso dizer mais nada, pois não?



Phthalates - Não sei como dizer isso em Português, mas para explicar melhor: é uma substância utilizada na industria para aumentar a flexibilidade, transparência, durabilidade e longevidade dos produtos. É muito perigoso, mas continua sendo utilizado em cosméticos, brinquedos, perfumes - ex. (Personal-care items containing phthalates include perfume, eye shadow, moisturizer, nail polish, liquid soap, and hair spray.[8] ) Wikipédia. Aconselho-vos a verificar sempre se os produtos que compram têm este tipo de componente. Leia a lista no wikipédia e verifique os rótulos.




Formol - Sim! Aquele produto que conserva os cadáveres! E nós sabemos que é um produto cancerígeno/carcinogénico, e que também é utilizado largamente em produtos como cola de pestanas falsas e vernizes, só para simplificar a coisa! 

E é óbvio que eu poderia passar tempos aqui dizendo para vocês uma série de coisas que eu detesto na indústria da beleza, porém estes que citei são aqueles que mais me incomodam enquanto consumidora, blogger e apreciadora de cosméticos em geral. Muito cuidado na hora de colocar algo sobre a pele, pois esta absorve pelo menos 60% de tudo o que colocamos sobre ela. 


Com isso espero ter trazido um pouco daquilo que normalmente não "vemos", seja devido à publicidade em massa ou por não conhecermos os elementos que compõem os produtos que desejamos tanto ter. Então, se deseja reduzir o "consumo" destas substâncias, comece por ler os rótulos e informe-se sobre aquilo que mais lhe desagrada na indústria da cosmética, evitando estas substâncias, nos casos em que estamos a falar de produtos.


Existe algo mais na indústria da beleza, que não foi citado que você mais detesta? Partilhe comigo!


Com carinho,


Clênia Daniel.

4 comentários:

ccstylebook disse...

Oi Clênia, gostei muito do post! Confesso que em relação aos produtos de beleza não me preocupo muito com os seus ingredientes nem com a sua constituição, mas devia estar mais atenta a isso... Agoro concordo a 100% quando você diz que a indústria usa modelos que não representam o produto... E só por isso, uma pessoa já fica duvidando da eficácia do que se está vendendo. Deviam ter mais atenção a isso, é fundamental o público/clientes se identificarem com a marca! Beijinho!

Soraia Santos disse...

Excelente post linda!
Identifico-me muito com tudo o que escreveste! :)

Um grande beijinho
www.blogbeautytouch.blogspot.pt

Clênia Daniel disse...

Verdade CC! Duvidamos porque é impossível ficarmos com aquela pele usando um creme e em tão pouco tempo. Existe muita bucha no meio de bons produtos e nós precisamos identificá-los através de uma boa pesquisa antes. Um beijinho e obrigada por comentar!

Clênia Daniel disse...

Obrigada Soraia! A ideia é deixar de lado a beleza camuflada das marcas e mostrar o que realmente existe lá dentro dos frascos. Também é dizer que estamos a ver quando eles distorcem a verdade nas publicidades.
Um beijinho Soraia! obrigada pelo comentário!

Design, coding and theme by Ana Garcês.
BE.YOU.TIFUL © 2008-2015